quinta-feira, 28 de outubro de 2021
17 °c
Rio de Janeiro

Vacinação em massa na Maré emociona moradores: ‘Feliz por tanta gente imunizada’, diz primeiro vacinado

Com uma população de 140 mil moradores, cerca de 30 mil pessoas vão ser imunizadas até domingo

Rio – Começou na manhã desta quinta-feira (29) a vacinação em massa no Complexo da Maré. A iniciativa é feita por meio de uma parceria entre a Fiocruz, a Redes da Maré e a prefeitura do Rio e faz parte de um estudo que tem como objetivo analisar a eficácia do imunizante e verificar o comportamento da covid-19 em uma população imunizada.

Na clínica da família Adib Janete, a movimentação era intensa e as equipes se organizavam para receber a população. A previsão é que até sábado cerca de 30 mil pessoas recebam a primeira dose, que será aplicada em pessoas de 18 até 33 anos e 500 voluntários vão apoiar a iniciativa.

O primeiro vacinado foi o influenciador digital Raphael Vicente, de 21 anos, que chegou acompanhado de sua avó, Maria Antônia. Com um sorriso no rosto, ele compartilhou que a vacinação representava um momento especial em sua vida.

“Estou me sentindo grato. A minha vez não estava tão longe, mas só de saber que vai ter tanta gente imunizada, eu fico feliz”, afirmou.

Raphael lembrou que, em março deste ano, testou positivo para a covid-19 e durante aquele momento ele recebeu apoio do projeto Conexão Saúde – De olho na Covid-19, coordenado pela Fiocruz.

“Em março testei positivo para a covid-19 e tive toda a ajuda deles. Recebi alimentação em casa, material de limpeza, cesta básica e fui acompanhado. Fiquei 17 dias em isolamento e consegui me recuperar”, explicou.

Quem também compareceu para se vacinar foi a estudante de Educação Física Maria Eduarda, de 18 anos, que atua na ONG Luta pela Paz. Ela contou que precisou segurar a emoção para não chorar, e falou sobre o sentimento que deve durante o momento em que recebeu a vacina.

“É um sentimento tão bom, eu estava nervosa mas deu tudo certo. Era para ter sido antes. Esse projeto é muito bom e eu faço um apelo para que todas as pessoas se vacinem, pelo amor de Deus”, afirmou.

O Complexo da Maré hoje reúne um conjunto de 17 comunidades e tem uma população de 140 mil moradores. No total são 141 pontos de vacinação que vão auxiliar na Imunização da população até o dia 1 de agosto. Segundo o 38º Boletim da iniciativa Conexão Saúde – De olho na Covid-19, foram 147 mortes pela doença na Maré antes do início da iniciativa. Após as ações de testagem em massa e monitoramento, o número de mortes atualmente registrado desde o início do projeto, em agosto de 2020, é de 77 mortes.

O secretário municipal da Saúde, Daniel Soranz, esteve presente durante o evento que marcou o início da vacinação em massa e destacou o aprendizado que a Prefeitura do Rio tem tido para novas possibilidades de ações e políticas de saúde em comunidades.

“É um superaprendizado. É uma pesquisa que não começa hoje, mas desde o início da pandemia. Com a parceria com a Redes da Maré e a Fiocruz, o nosso objetivo é que a gente consiga de fato acompanhar a vacinação dessa população e os efeitos dela ao longo dos próximos anos, qual foi o seu efeito e possíveis alterações”, explicou.

O pesquisador da Fiocruz responsável pelo estudo, Fernando Bozza, explicou que a vacinação em massa na Maré é um momento simbólico tanto para os pesquisadores quanto para a população. Ele também ressaltou os resultados do projeto Conexão Saúde – De olho na Covid-19, que reduziu os índices de mortalidade em 88% e o número de mortes em 48% comparado ao período anterior à iniciativa.

“Naquele momento, a Maré tinha um dos piores dados por covid-19. A mortalidade era o dobro do Rio e tinha uma das piores do Brasil. Agora, iniciamos um novo passo na Maré e o nosso objetivo é responder, entre muitas questões, a efetividade da vacina, a sua eficácia contra a variante Delta, e o nível de proteção entre os adultos imunizados e os públicos não imunizados”, explicou.

Toda a população vacinada terá acompanhamento e serão realizados testes sorológicos periodicamente para verificar a imunidade da população.

A diretora da ONG Redes da Maré, Eliana Silva, afirmou que a vacinação em massa na Maré é resultado de uma mobilização que a organização tem feito desde o início da pandemia, em busca de oferecer uma resposta no âmbito da saúde para os moradores.

“Temos 140 mil pessoas aqui, essa é uma mobilização que vem desde o início da pandemia e tentamos buscar de alguma maneira uma forma de responder as necessidades dos moradores de maneira organizada, realmente atendendo às demandas. Esse dia é exemplar para mostrar o quanto as articulações entre a comunidade, o governo e a pesquisa podem oferecer em questão de potência para pensar em mudanças positivas, sobretudo em relação à saúde da Maré”, afirmou.

O médico sanitarista e assessor de relações internacionais da Fiocruz, Valcler Rangel, lembrou o momento em que trabalhou na Maré e comemorou a vacinação em massa. Ele reconheceu a ocorrência de muitas mortes na comunidade por conta da covid-19, mas ressaltou a importância do trabalho que a Fiocruz tem feito para reduzir a mortalidade no Complexo.

“Tivemos uma notificação muito superior a de outras favelas do Rio. Por meio de um trabalho intenso, em que a prefeitura ajudou muito também, conseguimos reduzir a taxa de mortalidade. A telemedicina, a assistência social e o atendimento psicológico foram fundamentais para salvarmos vidas. Só na telemedicina fizemos mais de 10 mil atendimentos”, disse.

*Estagiário sob supervisão de Gustavo Ribeiro

Via: O Dia

Próximo Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *