20 °c
Nilopolis

Rio terá primeira Fábrica de Árvores para produção de mudas

Previsão é que a obra fique pronta em nove meses e o plantio comece em 2023

Esta é primeira vez que o Rio irá produzir suas próprias mudas de alta qualidade Fabio Motta/Prefeitura do Rio

Rio – Em celebração a Semana Internacional do Meio Ambiente, a Fundação Parques e Jardins (FPJ) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em parceria com a empresa Farm, vão lançar nesta quinta-feira (3) a primeira Fábrica de Árvores da cidade. A iniciativa vai construir os primeiros viveiros destinados à produção de árvores urbanas no município. O projeto atende às diretrizes do Plano Diretor de Arborização Urbana (PDAU Rio).

Esta é primeira vez que o Rio irá produzir suas próprias mudas de alta qualidade para plantios urbanos em parques, praças e logradouros públicos. Os viveiros serão construídos dentro de uma área de cerca de 15 mil metros quadrados, que pertence à Secretaria de Meio Ambiente da Cidade, na Fazenda Modelo, em Guaratiba, na Zona Oeste. O projeto da Fábrica de Árvores foi desenvolvido a partir do conceito de economia circular, que prevê um ciclo ecológico em que novas mudas são produzidas e alimentadas a partir do material orgânico vindo das podas realizadas na cidade.

“A cidade do Rio abriga duas grandes florestas urbanas e tem 22% da superfície total inteiramente tomada por florestas. Este patrimônio nos dá esperança para o futuro. Mas é preciso ir além: garantir árvores em ruas e praças. As gerações cariocas presentes e futuras merecem árvores para chamarem de suas”, afirma o secretário de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere.

A capacidade total de produção da Fábrica de Árvores será de mais de 10 mil mudas por ano. Desse total, 3,4 mil serão produzidas no espaço que será construído pela Farm em uma área de 5.750 metros quadrados. Outras 8 mil serão produzidas em uma área de 8.725 metros quadrados, que receberá investimentos da Secretaria de Meio Ambiente.

“A Fábrica de Árvores vai ser um instrumento transformador da arborização urbana do Rio. A partir de agora a cidade vai ter condições de produzir suas próprias mudas de alta qualidade. É uma iniciativa impulsionadora dessa revolução verde que estamos propondo e que vai nos auxiliar a reduzir, ainda mais, a desigualdade de acesso aos recursos ambientais da cidade”, destaca o presidente da Fundação Parques e Jardins, Fabiano Carnevale.

Por meio de Termo de Cooperação, a Farm vai investir R$350 mil para a implantação do projeto. A doação faz parte de um conjunto de ações de um programa próprio da empresa denominado “Mil Árvores Por Dia”, que tem a meta de plantar mil árvores por dia, todos os dias, em território nacional. De acordo com o cronograma do projeto, a obra da Fábrica de Árvores levará cerca de nove meses para ser concluída, com o plantio das primeiras 10 mil árvores urbanas previsto para o início de 2023.

O processo da Fábrica de Árvores é cíclico, começando e terminando dentro do próprio equipamento. De acordo com a equipe técnica da FPJ, o horto se diferencia dos demais da cidade, porque todo o ciclo de vida da planta foi considerado durante a elaboração do projeto. Os resíduos das podas das árvores da cidade, que antes eram descartados, serão encaminhados à Fábrica para serem triturados e processados até virarem um composto orgânico. Esse material orgânico e rico em nutrientes, o adubo, vai alimentar as novas mudas e auxiliar em seu desenvolvimento.

Segundo a Fundação, uma das maiores necessidades apontadas pelo PDAU é a produção de mudas urbanas de alta qualidade, que permitam melhores resultados na arborização das ruas, praças e parques. A FPJ argumenta que as mudas de alta qualidade apresentam um potencial muito maior de desenvolvimento pelo porte adequado, saúde e vigor. A maioria das mudas produzidas na Fábrica de Árvores será destinada a plantios nas zonas Norte e Oeste do Rio, que apresentam os menores índices arbóreos da cidade e sofrem os efeitos das ilhas de calor.

A arborização urbana contribui para as cidades trazendo beleza, conforto e até saúde para seus moradores. A Fundação aponta que problemas como a falta de espaço nas ruas, fiações elétricas e solo inadequado são os maiores desafios enfrentados nesse processo. De acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Rio é a 9ª cidade mais arborizada do Brasil.

Em primeiro lugar está Goiânia, com 89,5% de área verde, seguida por Campinas (88,4%), Belo Horizonte (83%), Porto Alegre (82,9%), Curitiba (76,4%), São Paulo (75,4%), Fortaleza (75,2%), Guarulhos (72,4%), Rio de Janeiro (72,2%) e Recife (60,8%). O Plano Diretor de Arborização Urbana (PDAU Rio) mostra que as espécies mais plantadas na cidade do Rio, por suas características de porte, arquitetura da copa, diâmetro, tempo de crescimento e frutos produzidos, são escumilha, sibipiruna, ipê-rosa, oiti, ipê-amarelo, aldrago, aroeira, ipe-branco, pau-ferro e pau-brasil.

Via: O Dia
Próximo Post