20 °c
Nilopolis

Polícia Civil rechaça fala de Defensor Público Geral

Rodrigo Pacheco disse que é recomendável suspender operação quando um policial for ferido

Defensor Público Rodrigo PachecoDaniel Castelo Branco / Agncia O Dia

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol) rechaçou a opinião apresentada pelo defensor geral Rodrigo Pacheco, que sugeriu que sempre que houvesse a morte de um policial, como aconteceu no Jacarezinho, Zona Norte do Rio, a operação deveria ser interrompida imediatamente. Segundo a Sepol, o encerramento de uma operação por morte de um policial representaria a vitória do crime organizado.

Ao falar sobre a operação na comunidade do Jacarezinho, que deixou 28 mortos e foi considerada a mais letal da história no estado, em entrevista à GloboNews, nesta quarta-feira (12), Rodrigo Pacheco disse que quando um policial morre durante uma operação, a ação pode ser comprometida.

“É recomendável que, quando no início de uma operação morre um policial, se suspenda sob pena de haver uma comoção muito grande da tropa e dos policiais e obviamente a operação fugir ao controle. Por outro lado, o controle externo da atividade policial é do Ministério Público”. 

Fontes ouvidas pelo O Dia também criticaram a declaração. “Por essa lógica, os traficantes vão resistir intensamente à entrada da polícia até que um policial morra e a operação seja encerrada. O defensor estimula a reação violenta do criminoso para que a operação termine”.

A reportagem indagou à assessoria de imprensa da defensoria sobre a declaração e às criticas geradas, mas o órgão não quis se manifestar.

Próximo Post