Pesquisadora da Fiocruz e líderes comunitárias recebem Prêmio Nise da Silveira

Cerimônia homenageou mulheres que se destacam na luta contra a covid-19

Líderes comunitárias tiveram envolvimento com projetos voltados para prevenção e combate à pandemiaDivulgação/Prefeitura do Rio

Rio – A 6ª edição do Prêmio Nise da Silveira – Mulheres que Abrem Espaço para o Amanhã, homenageou a pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a pneumologista Margareth Dalcolmo, e oito líderes comunitárias que desenvolveram ações para reduzir os impactos da pandemia de covid-19. A cerimônia foi realizada nesta quarta-feira (19), no Palácio da Cidade, em Botafogo, na Zona Sul do Rio.

O prefeito Eduardo Paes e a secretária de Políticas e Promoção da Mulher, Joyce Trindade, participaram da solenidade. As escolhidas deste ano foram indicadas pelas subprefeituras do Rio e pela Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Mulher, por representarem os diferentes territórios do município e o protagonismo feminino.

“Não é surpreendente que a gente tenha um protagonismo enorme das mulheres na mobilização para encontrar soluções e minimizar os impactos negativos desta pandemia. Isso mostra a força e a liderança da mulher de um Brasil que muda. Meus parabéns às nossas homenageadas, que esse prêmio sirva de inspiração, como exemplo para outras mulheres e cidadãos, que mais na frente possam se mobilizar e ajudar a construir uma sociedade mais justa”, declarou o prefeito do Rio.

As líderes comunitárias premiadas tiveram envolvimento com projetos voltados para arrecadação e distribuição de cestas básicas, máscaras e álcool em gel, higienização de espaços comunitários, além de campanhas de conscientização e prevenção, entre outras atividades.

“Precisamos reconhecer o papel de destaque das mulheres na nossa cidade, nas suas comunidades, na saúde pública, na ciência e em tantas outras áreas que têm sido essenciais. Elas foram fundamentais para minimizar a insegurança alimentar que estamos vivendo, para oferecer apoio, informação e aumentar as medidas de proteção à vida”, disse a secretária Joyce Trindade.

A edição deste ano teve um prêmio especial entregue à pesquisadora da Fiocruz, por liderar um estudo sobre vacinas contra o novo coronavírus, além de desempenhar um papel importante como porta-voz na divulgação, em entrevistas a diferentes veículos de comunicação, de informações assertivas e científicas sobre a pandemia.

“Quero agradecer essa generosidade enorme da prefeitura. Sou capixaba, vim morar no Rio ainda bebê, com menos de dois anos. Aqui, me formei, formei minha consciência, portanto, sou do Rio de Janeiro. Nise é uma inspiração como médica, mulher e cidadã brasileira. Me sinto profundamente orgulhosa de receber o prêmio Nise da Silveira”, celebrou a Dalcolmo.

Líder comunitária, Flávia da Silva Pinto, a Mãe Flávia, está à frente da Casa do Perdão, um terreiro de umbanda na Serra do Mendanha, Zona Oeste da cidade. Em parceria com a Unicef, ela já conseguiu distribuir 1,4 mil cestas de alimentos e material de higiene pessoal durante a pandemia. Além disso, o trabalho filantrópico atende duas unidades prisionais femininas, Talavera Bruce e Santo Expedito, e ajuda um asilo e um abrigo de mulheres.

“É um orgulho muito grande ser uma das homenageadas, porque estamos dentro da periferia fazendo um trabalho muitas vezes anônimo. Temos ainda no nosso terreiro uma escolinha de reforço escolar, atendendo 25 alunos, além de um curso de corte e costura. Ter o nosso esforço reconhecido e valorizado é muito importante, porque fazemos um trabalho de utilidade pública, de forma voluntária e filantrópica”, contou a líder.

Além de Flávia, as outras líderes homenageadas são Maria Lúcia Mesquita Martin, indicada pela Subprefeitura da Barra, por atuar no território do Quilombo Cafundá Astrogilda; Deise Xavier dos Santos Teixeira, indicada pela Subprefeitura do Centro, por atuar no Rio Comprido.

Há ainda Maria do Socorro da Silva de Oliveira, por indicação da Grande Tijuca, atuando no território Indiana; Maria Rosilda Pereira de Azevedo Moreira, indicada pela Subprefeitura das Ilhas, por trabalhar na região da Praia da Rosa; Renata Kelly dos Santos Nunes, indicada pela Subprefeitura de Jacarepaguá, por atuação na Cidade de Deus; Tais Almeida da Silva, indicada da Subprefeitura da Zona Norte, pelo seu trabalho em Cavalcanti.

Por fim, foram premiadas Flávia da Silva Pinto, com indicação da Subprefeitura da Zona Oeste, por sua atuação no Mendanha, e Deva da Silva Ferreira, indicada pela Subprefeitura da Zona Sul, por seu trabalho no território do Santa Marta.

Próximo Post