Os ‘Ítalos’ da vida

“Hoje em dia eu vivo do meu esporte, competindo e também dando aulas de surfe. Eu consigo fazer e viver, mesmo com as limitações, o que eu amo.”

A fala é de um menino de sorriso largo, o Samuel Igo Nascimento de Souza, de 28 anos.

A história dele deveria sim começar pelo final… Já com as vitórias! Mas como ele conta, a vida realmente não foi um mar de rosas.

Nascido na Paraíba, em Baía da Traição, a 48km da capital João Pessoa, Samuel tem o esporte como seu fio condutor. Indígena, filho de pescador e empregada doméstica, começou a surfar aos 8 anos de idade, já sendo campeão na primeira competição, aos 9.

Aos 10, depois da separação dos pais, teve que se jogar nas águas, dessa vez não para surfar, mas sim para ser pescador. Precisava trabalhar para colocar comida na mesa dele e da mãe. Período de perrengue, passando fome… Todo dinheiro que chegava ia da mão pra boca!

Foi quando aos 12 anos, viu sua vida virar. Foi questionado por uma amiga: “por que você está nessa luta? Seu futuro é no surfe!”

Daí, ele arrumou as malas, pediu a benção pra mãe e veio para o Rio de Janeiro, trazido pela família dessa amiga, que logo voltou para a Paraíba.

Sozinho, ele ficou, mas logo foi acolhido por um projeto que, segundo ele, o ensinou a ler e escrever com 13 anos.

“Foi lá que eu tive oportunidade, o meu divisor de águas. Se não fosse o Benjamin Ataíde, dono do projeto, me dando força, eu não saberia de nada. Lá eu principalmente aprendi a respeitar os seres humanos e suas histórias”, conta ele.

No Rio, a saudade da mãe bateu mais forte… Foi quando ele conseguiu, num caminhão, trazer a Dona Vânia pra cá!

“Minha mãe foi muito guerreira, ela é tudo pra mim. Acreditou no meu potencial, me deixou vir sozinho e hoje tô aqui, realizando meus sonhos.”

Sonhos esses que ainda não terminaram, hein!

O menino pobre da Paraíba, que pelo esporte já conheceu 14 países, competiu ao lado do agora campeão olímpico Ítalo Ferreira e até já venceu Gabriel Medina em baterias de provas, tá na batalha por um patrocínio.

Depois de sofrer um bocado para conquistar sua primeira prancha, virou profissional e quer de qualquer maneira entrar para a elite do surfe mundial e garantir a sua vaga no WCT!

Bom, ele já dividiu o pódio com o cara do momento… Pra virar o nosso novo “Ítalo”, falta pouquinho… É o que eu espero.

Depois de toda essa história, só me resta aplaudir e torcer para que essa vaga chegue logo, logo. Vai que é tua, Samuel!

Via: O Dia
Próximo Post