MPF: Gestão de Ricardo Salles favoreceu grupo empresarial com lojas no Cristo Redentor

O caso está sendo apreciado pela 32ª Vara Federal

Rio – O Ministério Público Federal (MPF), afirmou, nesta sexta-feira, que a gestão do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, favoreceu grupo empresarial em concessões de pontos comerciais aos pés do maior ponto turístico do Rio de Janeiro, o Cristo Redentor e da Igreja Católica. Ainda de acordo com o órgão, os envolvidos são seis lojas que vendem comidas e lembranças à turistas que visitam a cidade.

O MPF disse também que se enfrentam na Justiça pelos estabelecimentos: Os comerciantes, o Ministério do Meio Ambiente e a Igreja Católica. Afirmou ainda que a gestão de Salles atua para beneficiar o grupo Cataratas, que já explora comercialmente algumas das atrações turísticas mais simbólicas do país.

Próximo Post