20 °c
Nilopolis

Moradores da Cidade de Deus relatam intenso tiroteio um dia após morte de mototaxista

Segundo a Polícia Militar, policiais do 18º BPM (Jacarepaguá) foram 'atacados' por homens armados

Local na Cidade de Deus, onde um motociclista Edvaldo foi morto na terça-feira (18) e a pintura com o rosto do outro motociclista que morreu no mesmo lugar em janeiro.Estefan Radovicz / Agência O Dia

Rio – Moradores da Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, relataram tiroteio na região na noite de quarta-feira (19) e na madrugada desta quinta-feira. Na terça-feira (18), o mototaxista Edvaldo Viana, 42 anos, e o garupa da moto, ainda não identificado, foram baleados por PMs embaixo de um viaduto da região. De acordo com pessoas que estavam no local na hora do crime, o mototaxista foi baleado após tentar fazer uma bandalha embaixo de um viaduto da favela.

Segundo a Polícia Militar, equipes do 18º BPM (Jacarepaguá) realizavam um policiamento na região conhecida como ‘Localidade do 15’ quando foram “atacados” por homens armados e houve confronto. 

Ainda segundo a corporação, os homens conseguiram fugir. Não houve registro de feridos e presos na ação.

Mototaxista e garupa baleados

Edvaldo Viana, de 42 anos, e um homem que estava na garupa da moto foram baleados debaixo de um viaduto que dá acesso à comunidade. Moradores acusam a PM pelas duas mortes. 

“A polícia mata mais inocente do que prende bandidos. Queremos saber aonde isso vai parar, um inocente vai pra rua e está sendo morto nas mãos da polícia”, questiona a esposa de Edvaldo, a auxiliar de professora Mirian dos Santos, 49 anos, que esteve no Instituto Médico Legal na manhã de quarta-feira (19) para a liberação do corpo do marido.

Segundo ela, o marido fazia a última corrida do dia e iria para casa. Testemunhas contaram que Edvaldo parou a moto durante a abordagem, mas mesmo assim acabou baleado.
“Mais um inocente morrendo, eu só quero justiça. Quem fez isso com meu marido, inocente, vai pagar”, disse a mulher.

Edvaldo é natural de Maceió e veio para o Rio de janeiro para trabalhar. Na Cidade de Deus, conheceu Mirian. O casal não tem filhos, mas Edvaldo é pai de dois filhos que moram em Maceió.
Um dos enteados do mototaxista, Paulo Henrique dos Santos Duarte, de 29 anos, disse que soube da morte do padrasto por um homem que esteve na casa dele para contar sobre o ocorrido e foi hostilizado pelos PMs.

“A gente chegou lá e os policiais disseram que ‘os dois gansos já foram levados’. Uma pessoa me disse que meu padrasto parou a moto e os policiais atiraram de dentro do carro. Eles levaram para o Hospital Cardoso Fontes, em Jacarepaguá, podendo levar eles para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra”, questionou Paulo Henrique.
 

Próximo Post