Montador de móveis é libertado após ter sido preso por engano

Familiares e amigos comemoraram a soltura. A juíza que assumiu o processo reconheceu que Pablo Vieira foi preso sem provas que sustentassem a decisão

Houve uma grande celebração de familiares que comemoraram a sua soltura no momento em que ele foi libertadoReprodução / TV Globo

Rio – O montador de móveis Pablo Vieira de Carvalho foi solto durante a manhã desta quinta-feira (27), um dia após a decisão de soltura da juíza Daniela Barbosa Assumpção, da primeira Vara Criminal de Niterói. Ele estava preso desde o dia 17 de maio, acusado de participar de um roubo de carga de cigarros na região, no dia 5 de fevereiro de 2020.

Segundo a família, a única evidência que tinha sido apontada contra Pablo foi uma foto que estava na delegacia, em que ele teria sido reconhecido por vítimas, contudo, o montador de móveis estava trabalhando em um prédio no momento do assalto, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, a cerca de 46 km do local do crime.

Em um trecho do alvará de soltura, a juíza reconheceu a importância do reconhecimento fotográfico, mas disse que o elemento isolado não é suficiente para efetuar uma prisão preventiva. “Embora o reconhecimento fotográfico possa servir, em conjunto com outros elementos de informação, para validar o oferecimento da denúncia, o mesmo, por si só, não escorado por nenhum outro meio de prova, não tem o condão de ensejar o decreto de prisão preventiva.”

Na segunda (23), moradores do bairro do Cabuçu fizeram um protesto pedindo por justiça após a prisão de Pablo. No momento em que ele foi libertado, houve uma grande celebração de familiares que comemoraram a sua soltura, com direito a bolo de aniversário, pois o montador tinha completado 34 anos mas não pode comemorar a data em função de estar preso. Pablo não possui nenhum antecedente criminal e foi recebido com comemoração quando chegou de carro no bairro em que mora.

A revogação da prisão preventiva foi solicitada pelo advogado Douglas Assis no dia 18 de maio. No dia 20 houve um despacho da Justiça marcando a audiência de custódia para o dia 8 de junho. No entanto, após um pedido de soltura do Ministério Público do Rio de Janeiro, na terça-feira (25), a juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza expediu o alvará de soltura.Agora, Pablo deve se apresentar a cada 15 dias e comparecer em todos os atos do processo.

Via: O Dia
Próximo Post