Maqueiros denunciam que estão há seis meses sem salários e benefícios

A Secretaria Municipal de Saúde informou que 'a empresa terceirizada responsável pelo serviço de maqueiros no Hospital Maternidade Carmela Dutra não tem apresentado a documentação exigida pela legislação para que os pagamentos possam ser feitos'

Rio – Maqueiros do Hospital Maternidade Carmela Dutra denunciaram ao DIA que estão há seis meses sem receber salários, auxílio alimentação e vale-transporte no trabalho. Segundo relatos, a Angel’s Serviços, empresa terceirizada que atua na unidade de saúde, não atende mais os telefonemas dos funcionários e diz não ter previsão para efetuar os pagamentos atrasados.

“Essa situação nos deixa perdidos, ficamos com a cabeça mexida. Você quer trabalhar direito, mas vem um monte de pensamentos que não deixa você trabalhar corretamente. Acabamos fazendo um serviço ruim para mostrar para eles que não estamos gostando disso”, lamentou um funcionário, que está há três meses sem receber salário e um mês sem o vale-alimentação e vale-transporte.

De acordo com o maqueiro, a Prefeitura do Rio fez o repasse da verba, mas a empresa não efetuou o pagamento. “Se nós faltamos, levamos falta. Não recebemos e ainda levamos falta. O supervisor me disse que a empresa informou que quando recebesse o dinheiro da prefeitura, ia pagar o mês de fevereiro. Ele falou que a prefeitura pagou, mas a empresa não nos pagou. Ele desabafou dizendo que achava isso errado, que não concordava, mas que ele não podia fazer nada porque ele é funcionário da empresa, se sente culpado também. Ele sabe que a chefia não está se colocando no nosso lugar e ainda disse que o dono da empresa pediu a ele pra dizer para nós que vai continuar sem previsão de pagamento”.

O funcionário ainda relatou que a atual situação está gerando conflito dentro da própria casa. “Se você deve alguém também gera discussão com a pessoa. Na verdade, ninguém acredita que você está trabalhando sem receber. A gente quer continuar indo, com a esperança de que vai receber e nada. Ultimamente, nem telefone eles (a empresa) estão atendendo. A telefonista nem passa para o departamento pessoal. Quando ela pergunta qual é o assunto e a gente fala que é sobre a falta de pagamento, ela diz que é para falar com o supervisor”.

Durante uma troca de mensagens, a qual O DIA teve acesso, outros profissionais reclamam da falta de maqueiros no hospital. O funcionário diz que o agravamento da situação acaba afetando também o relacionamento com os enfermeiros e médicos, além dos próprios pacientes.

“Sem querer, isso acaba passando para outros colegas de trabalho, como a enfermagem, quando pede algum favor, os médicos. Aí você se acha no direito de fazer alguma coisa como dizer um não, como não atender uma chamada para eles poderem perceber que você realmente não está gostando da situação. Sempre entrando em atrito com trocas de palavras um pouco fora do necessário. A direção também não tem culpa, mas a gente quer passar para eles que não estamos gostando e eles passarem para a empresa também, porque eles tem um contato direto com a empresa e a gente não tem”.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que “a empresa terceirizada responsável pelo serviço de maqueiros no Hospital Maternidade Carmela Dutra não tem apresentado a documentação exigida pela legislação para que os pagamentos possam ser feitos. A SMS está em contato com a empresa, cobrando a regularização da situação”.

A reportagem procurou Angel’s Serviços para comentar as denúncias. A empresa não respondeu até a publicação desta matéria. O espaço está aberto para manifestação.

Via: O Dia
Próximo Post