quinta-feira, 28 de outubro de 2021
17 °c
Rio de Janeiro

Mapa de Risco aponta que o Rio segue com bandeira amarela para a covid-19

Apenas as regiões Metropolitana I e Noroeste permanecem em risco moderado de transmissão

Rio – O estado do Rio segue, pela terceira semana consecutiva, com a classificação de bandeira amarela, que representa baixo risco de contrair o novo coronavírus, de acordo com a 41ª edição do Mapa de Risco da Covid-19 da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgada nesta sexta-feira (30). Das nove regiões do estado, sete estão em bandeira amarela. Apenas a Metropolitana I e a Noroeste permanecem com bandeira laranja, de risco moderado de transmissão.

Médio Paraíba, Serrana, Baixada Litorânea, Norte, Centro-Sul, Baía da Ilha Grande e Metropolitana II, estão com bandeira amarela. Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa, que representa risco muito alto; vermelha, para risco alto; laranja, de risco moderado; amarela, com risco baixo e verde, com risco muito baixo.

Segundo o Mapa, o estado teve 27% de redução no número de óbitos provocados pelo vírus. As internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) caíram 18% na comparação entre as semanas epidemiológicas 28, entre e 17 de julho, com a 26, dos dia 27 de junho a 3 de julho. As taxas de ocupação de leitos no estado estão em patamares estáveis, com 56% para leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 38% para leitos de enfermaria.

Em seis meses de vacinação, o Rio ultrapassou a marca de 10 milhões de doses aplicadas contra a doença. Mais de 50% da população adulta do estado já recebeu a primeira dose e pouco mais de 20% receberam a segunda dose ou a dose única.

“Apesar de um bom resultado neste levantamento técnico, é importante que todos mantenham os cuidados já conhecidos, como distanciamento social, uso de máscara e álcool gel. Com o avanço da vacinação, conseguiremos minimizar os impactos causados pela covid”, declarou o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe.

Via: O Dia

Próximo Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *