20 °c
Nilopolis

Filha de mulher morta a facadas em São Gonçalo apresenta estado grave de saúde

Emylle Vitória, de 5 anos, foi esfaqueada pelo padrasto, que matou a companheira Ana Caroline Felício e também atacou os sogros na madrugada desta terça-feira

Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no bairro Coluband̻, em Ṣo Gon̤alo, Regịo Metropolitana do Rio de Janeiro РDivulga̤̣o

Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no bairro Colubandê, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio de JaneiroDivulgação

Rio – A menina Emylle Vitória, de 5 anos, está em estado grave de saúde no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. A criança foi esfaqueada pelo padrasto, que matou a companheira Ana Caroline Felício, 29, na madrugada desta terça-feira. Além da enteada e da mulher, Marcos Vinícius também atacou os sogros Leda P. Lopes Felício, de 63 anos, em estado grave, e José R. Felício, 65, que estão internados com quadro de saúde estável. O autor conseguiu fugir.

Uma testemunha contou à TV Globo que o casal estava em um relacionamento há pouco mais de um ano. Segundo o relato, durante a madrugada, Marcos Vinicius entrou no quarto onde Ana estava com a filha e depois no quarto dos pais da vítima. A testemunha ressaltou que havia muito sangue espalhado pelo local. 

O crime aconteceu na casa da família no Laranjal, São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, após uma briga.

Os bombeiros do quartel de São Gonçalo foram acionados para a Avenida Bispo Dom João da Mata em São Gonçalo 0h40. Ana Caroline P. Lopes Felício já foi encontrada morta. 

No endereço, os policiais militares do 7º BPM (São Gonçalo) foram informados sobre quatro pessoas com ferimentos provocados por arma branca. Não foi encontrado documento do suspeito. Os policiais foram informados pelas vítimas que o nome dele é Marcos Vinicius.

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) foi acionada e investiga o caso. A perícia foi realizada no local e o autor foi identificado. Os agentes realizam diligências para localizá-lo.

O Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP) registrou 30 casos de feminicídio entre janeiro e abril deste ano. O maior número da série histórica no estado.

Via: O Dia
Próximo Post