Falso médico que atendia na UPA de Realengo tem prisão preventiva decretada

Na decisão, a juíza Ariadne Villela Lopes destaca a gravidade das acusações contra Itamberg de Oliveira Saldanha. Ele pode responder pela morte de uma paciente

Falso médico foi preso em flagrante na UPA de RealengoReprodução

Rio – A Justiça do Rio converteu em preventiva a prisão em flagrante do falso médico Itamberg de Oliveira Saldanha. Ele é acusado de exercer a profissão de forma ilegal, atendendo e receitando pacientes em unidades de saúde do Estado do Rio e de várias cidades.

A audiência de custódia foi nesta quinta-feira (20) e a decisão foi assinada pela juíza Ariadne Villela Lopes.

Itamberg foi preso após ser denunciado pelo médico Álvaro Pereira Carvalho. O profissional esteve na 12º DP (Copacabana) e abriu Boletim de Ocorrência contra uma pessoa que estaria usando seu CRM e se passando por ele.

O falso médico chegou a cursar medicina, mas por falta de dinheiro, segundo ele, não completou a formação. Itamberg atuava em UPAs, hospitais e Unidades de Saúde da Família. Ele aproveitou o documento falso para ser vacinado contra a Covid-19.

Na decisão, a juíza ressalta a gravidade das acusações contra Itamberg.

“O custodiado apresenta alto risco de reiteração delitiva, considerando as circunstância. Assim, converto a prisão em flagrante do custodiado em prisão preventiva”, destaca.

O falso médico pode ser indiciado pela morte da mãe de Jaquicelia Braga de Medeiros. A mulher morreu no dia 15 de maio, depois de ter sido atendida por Itamberg na UPA de Realengo.

Próximo Post