quinta-feira, 21 de outubro de 2021
17 °c
Rio de Janeiro

De embrulhar o estômago!

Que sorte da Maria José ter uma vizinha que filmou tudo, porque senão, com certeza ela seria mais uma mulher taxada de histérica ou na lista das vítimas de feminicídio

Que cena forte… E o sentimento não poderia ser diferente, nojo. Eu recebi o vídeo no qual Maria José dos Santos Nascimento, de 35 anos, moradora da Vila Sarapuí, em Caxias, é covardemente agredida na janela de casa pelo marido, Vítor de Oliveira, agora preso. O vídeo circulou em vários grupos de WhatsApp e mostra tamanha estupidez.

Grávida de dez semanas, ela parece que vai para a janela pedir ajuda, porque já não aguenta mais tanta humilhação e violência. O casal estava junto há dois anos e bastou morar na mesma casa para que ele mostrasse de fato quem era. “Desde o Natal do ano passado que ele começou a me agredir”, conta Maria José.

Ele, como típico agressor, abusador, tenta disfarçar para não chamar a atenção dos vizinhos, faz aquela cara de que a vítima está descontrolada. Quer enganar quem?! Dá pra ver o desespero dela. E na delegacia, as agressões foram comprovadas. Maria José chegou com vários hematomas pelo corpo!

Que absurdo… É de arrepiar! Que sorte da Maria José ter uma vizinha que filmou tudo, porque senão, com certeza ela seria mais uma mulher taxada de histérica ou na lista das vítimas de feminicídio.

Sorte que, infelizmente, muitas não conseguem ter. Apanham caladas, sem o direito de pedir socorro!

Pior de tudo é ouvir no vídeo uma outra vizinha gritando: “Ela gosta também!” Oi??? Alguém gosta de ser agredido? Tão canalha quanto o agressor!

Esse é o retrato real de várias mulheres vítimas de violência doméstica diariamente não só aqui no Rio, mas em todo Brasil. E que todo valentão, covarde, agressor de mulher tenha o mesmo destino que esse aí, exposto e em cana!

3,2,1… É DEDO NA CARA!

PINGO NO I

Ah, não… Agora é barata???

A coluna recebeu um vídeo de passageiros da linha 415 (Usina x Leblon) em que o ônibus está infestado de baratas… Todo mundo em pé, não pode nem sentar, porque as baratas vão pra cima! Isso porque começou a fazer calor de verdade ontem… Imagina quando chegar no verão?!

Aqui a confusão nos transportes não para, seja no trem, no ônibus, no metrô… O carioca tá sempre sofrendo, com um babado atrás do outro!

Não é mole não… Até barata causa rebuliço nessa cidade!

Quanto ao problema dos trens, eu nem vou falar nada… Todo dia é uma novidade e a desculpa é sempre a mesma: roubo de cabos. Então, bora colocar o Pingo no I…

É literalmente aquela história do “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”. Nesse caso é “se sentar, o bicho morde”. Eca!!!

TÁ FEIO!

Se tá ruim pra você esse calorão, imagina pra analista digital Leandra Vianna, de 37 anos, moradora de Neves, em São Gonçalo.

Ela está há uma semana sem energia elétrica no apartamento que se mudou! Só que o problema dela não é o calor… É bem mais grave. Leandra é diabética e sofre de asma crônica, usa nebulizador elétrico todo santo dia e ainda precisa da geladeira funcionando pra armazenar a insulina. Mas cadê que a Dona Enel vai lá religar a luz?

“Já tentei de todas as formas, mas nada resolve. Entrei no site, fui na agência, liguei, até por WhatsApp entrei em contato e fiquei esperando mais de 8 horas por um retorno. Preciso de ajuda”, contou ela.

Alô, Dona Enel! Ninguém tá falando de luxo, é necessidade e principalmente, saúde. Pra completar, ela ainda está em home-office, ou seja, sem poder trabalhar, já que nem internet consegue ter em casa. Tem que resolver esse descaso com o consumidor!

Em nota, a Enel afirmou que a titular anterior havia solicitado encerramento contratual. Leandra então solicitou a troca de titularidade e a religação da energia no imóvel, serviço que tem um prazo de até 24 horas para ser executado. A Ouvidoria da distribuidora já entrou em contato com a cliente para esclarecer os prazos.

Por isso, se você me perguntou se tá feio ou tá bonito… Libera a Leandra desse apagão, e tenho dito!

Next Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *